Acesse Cadastre-se

Notícias mais gestão

Fique por dentro das últimas notícias em economia, gestão pública e temas relacionados.

20 Setembro 2018 Congresso MBC 2018, Estado e democracia

Representantes de candidatos à presidência apresentam seus planos de governo

Coordenadores do programa de governo de quatro candidatos à presidência da República apresentaram as suas propostas na 16ª edição do Congresso Brasil Competitivo, que aconteceu dia 4 de setembro, em São Paulo. Reforma do Estado, educação, desburocratização, gestão e governança foram alguns dos temas tratados pelos representantes dos partidos Novo, MDB, PT e PSDB.

Diogo Barbosa, que coordena o programa de governo de João Amoêdo (Novo), citou a insegurança jurídica do Brasil como um dos fatores para o país ter estagnado. “Quando falamos em insegurança jurídica, é isso que vemos, um país que não consegue mais fazer as coisas”, disse. Para ele, esse é um assunto que afeta diretamente a microeconomia do país e, por isso, não pode ser resolvido com projetos de lei.

José Márcio Camargo, coordenador da campanha de Henrique Meirelles (MDB), destacou a necessidade de uma série de reformas no país, dentre elas a tributária, da previdência e do Ensino Médio. “Nosso programa de governo é só de más notícias”, disse. “Começamos falando de Reforma da Previdência, e falamos do teto dos gastos. Tudo o que outros candidatos estão dizendo que vão acabar, nosso programa de governo diz que vai permanecer porque é e foi fundamentável para sair da recessão.”

O coordenador de campanha de Geraldo Alckmin (PSDB), Luiz Felipe D’Ávila, destacou três pilares do seu plano de governo: descentralizar o poder de Brasília, desburocratizar o Estado e a despolitização da máquina pública. Para D’Ávila, o fato da reforma da previdência ter sido quase aprovada no governo atual indica que a reforma é possível. “O maior sinal que podemos dar à população é que estamos preparados para acabar com privilégios. Não é possível a pensão média no setor privado ser R$ 1,3 mil e no setor público ser R$ 17 mil. Esse não é um país igual”, disse.

Para William Nozaki, representante de campanha do Fernando Haddad (PT), o debate ideológico em torno do Estado mínimo ou máximo deve ceder lugar sobre qual é o Estado necessário. “Estado necessário é aquele que é capaz de promover desenvolvimento econômico com inclusão social”, defendeu. Um dos eixos centrais de seu programa de governo é promover a reaproximação entre o Estado e a sociedade civil.

O Congresso Brasil Competitivo é uma realização do MBC para colocar em pauta assuntos importantes para o crescimento do país. O encontro reúne associados, líderes empresariais, gestores públicos, executivos e especialistas a fim de debater soluções que contribuam para a competitividade brasileira.

Assessoria de Comunicação Social do MBC